Donald Trump é indiciado por tentativa de manipulação das eleições de 2020 na Geórgia - Mundo
MUNDO

Donald Trump é indiciado por tentativa de manipulação das eleições de 2020 na Geórgia

A promotoria anunciou que daria até 25 de agosto para o ex-presidente se entregar voluntariamente à justiça do estado


📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

A justiça da Geórgia indiciou, nesta segunda-feira (14), o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, que está em campanha para retornar à Casa Branca, e outras 18 pessoas por supostamente tentarem alterar o resultado das eleições de 2020 neste estado.

Em entrevista coletiva em Atlanta, capital da Geórgia, a promotora do condado de Fulton, Fani Willis, anunciou que daria até 25 de agosto "para se entregar voluntariamente" à justiça do estado. Na decisão, ela invocou uma lei vigente na Geórgia sobre crime organizado, frequentemente usada contra gangues, e prevê penas de 5 a 20 anos de prisão.

  

Donald Trump, ex-presidente dos EUA Record News
   

A promotora disse que queria julgar todos os 19 réus, incluindo o ex-chefe de gabinete de Trump, Mark Meadows, e seu advogado pessoal, Rudy Giuliani, em um único julgamento "dentro de seis meses", mas lembrou que é o juiz quem marca a data.

Essa é a quarta acusação contra o ex-presidente, atualmente favorito à indicação republicana nas eleições presidenciais de 2024.

Apesar da derrota nas urnas na Geórgia em 2020, "Trump e os outros acusados se recusaram a reconhecer que ele perdeu e, consciente e deliberadamente, participaram de uma conspiração para ilegalmente mudar o resultado das eleições a seu favor", de acordo com a acusação formal.

O grande júri aprovou a acusação após as testemunhas convocadas pela procuradoria deporem ao longo do dia perante um grande júri em Atlanta, a capital deste estado do sudeste do país.

Fani Willis foi quem formou este painel de cidadãos com poder para investigar se havia evidências suficientes para acusar Trump, particularmente por fraude e interferência eleitoral. Também estava encarregada de validar uma possível acusação.

A investigação teve início após um telefonema, em janeiro de 2021 - cuja gravação foi tornada pública -, no qual Trump pediu a um funcionário local, Brad Raffensperger, que "encontrasse" cerca de 12.000 cédulas em seu nome que faltavam para ganhar os 16 delegados da Geórgia.

Na noite desta segunda-feira, Trump voltou a atacar a procuradora em um comunicado no qual a qualifica como uma "partidária furiosa" a serviço dos interesses do presidente democrata Joe Biden.

Fonte: R7


Dê sua opinião:

Fique conectado