DE VOLTA

"Sensação de alívio e gratidão", declara piauiense que estava na Ucrânia ao chegar em THE

Kedma Laryssa desembarcou na capital piauiense nesta terça-feira (08)


"A sensação é de alívio e gratidão", resumiu a atleta piauiense Kedma Laryssa, de 20 anos, ao desembarcar no início da tarde desta terça-feira (08) em Teresina. A atleta estava na Ucrânia e enfrentou momentos de tensão e insegurança após à invasão russa no país.

Em entrevista ao A10+, Kedma relembrou do início dos ataques russo e as inúmeras tentativas em deixar o país e retornar ao Brasil com segurança ao lado das colegas de time.

  

"Sensação de alívio e gratidão", declara piauiense que estava na Ucrânia ao chegar em THE Reprodução
   

“Foi tudo muito estranho, porque eu só tinha visto essas coisas em filmes e de repente estava acontecendo do meu lado. No primeiro dia dos ataques, nós estávamos hospedadas em um hotel que ficava do lado de uma base militar que foi bombardeada, a gente escutou tudo, o prédio tremeu inteiro”, descreveu.

Segundo Kedma, ela e as outras jogadoras não receberam o devido suporte da embaixada e conseguiram deixar a Ucrânia com a ajuda de voluntárias.

“A gente mantinha contato com a embaixada, e eles falavam que iam nos auxiliar, porém eles não nos deram suporte de fato. Quem nos ajudou foi as voluntárias da frente Brazul, elas nos levaram para a Polônia, e depois  pegamos um avião pra Alemanha e da Alemanha pra São Paulo”, explicou.

Ainda de acordo com a atleta, a sensação de retornar ao Piauí foi de alívio e gratidão. “Depois de tudo isso foi um sentimento de alivio e gratidão a Deus por ter voltado pra casa , nos braços da minha família e amigos, só tenho a agradecer”, contou.

Questionada pelo A10+ se vai continuar em Teresina, a piauiense narrou que vai aguardar o fim da guerra para tomar uma decisão, mas a princípio ela ficará com a família e amigos na capital.

Entenda o caso

A invasão da Rússia na Ucrânia tem provocado estragos irreparáveis e mortes desde a madrugada do dia 24 de fevereiro. É o maior ataque de um país europeu contra outro do mesmo continente desde a Segunda Guerra Mundial. O clima é de insegurança e incerteza, principalmente para os moradores que vivem na região.

  

Rússia continuará ofensiva na Ucrânia até alcançar seus objetivos Reprodução Record News
   

Kedma se mudou para a Ucrânia em agosto de 2021 após sair do clube Tiradentes-PI, e morava na cidade de Kryvyi Rih, que está localizada no Sudeste do país. Ela atuava como lateral-direita no Kryvbas Women. No clube atuam outras duas brasileiras: Lidiane Oliveira e Gabriela Zidoi. Elas são dos estados de São Paulo e Espírito Santo.

📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.


Dê sua opinião: