Patrulha Maria da Penha registra aumento de demandas após implementação de viaturas lilases - Polícia
PATRULHA

Patrulha Maria da Penha registra aumento de demandas após implementação de viaturas lilases

Antes eram atendidas duas novas medidas protetivas diárias; hoje o comando atende uma média de cinco a sete medidas


📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

A Polícia Militar do Piauí (PM-PI) registrou um aumento no número de fiscalização de medidas protetivas de urgência em Teresina com o uso das viaturas lilases. Com identificação visual diferenciada, que simboliza o enfrentamento à violência contra a mulher, a PM busca um atendimento humanizado e mais segurança às vítimas.

A comandante da Patrulha Maria da Penha, capitã Leoneide, lembra a importância de que a vítima denuncie formalmente qualquer tipo de agressão. “É importante que a vítima denuncie, registre o boletim de ocorrência e, no ato do boletim, solicite a medida protetiva para que esse agressor se afaste e o possível ciclo de violência seja quebrado, para não serem cometidos novos casos de violência do agressor em relação a essa vítima”.

 

Patrulha Maria da Penha registra aumento de demandas após implementação de viaturas lilases
Divulgação
“Nós, enquanto Patrulha Maria da Penha, com advento das viaturas lilases, tivemos um crescimento na demanda. Antes, nós atendíamos duas novas medidas protetivas diárias, hoje nós atendemos uma média de cinco a sete medidas novas que chegam para a gente, para que a gente possa fazer a fiscalização. É interessante nós destacarmos que o trabalho da Patrulha Maria da Penha é a fiscalização dessas medidas protetivas, para justamente cobrir essa lacuna que existe entre o deferimento da medida protetiva e a sensação de segurança da mulher. O simples papel, sem nenhum tipo de fiscalização, não tem uma efetividade. Então, nós, enquanto patrulha, enquanto Polícia Militar, preenchemos esse espaço de fiscalizar para saber se realmente esse agressor está cumprindo essa medida numa ação conjunta”, detalha a comandante. 

A capitã destacou ainda que o crescimento da demanda da patrulha se deu a partir da visibilidade que as viaturas lilases tiveram. “Vale ressaltar que esse crescimento na demanda da patrulha se deu a partir da visibilidade que foi dada ao trabalho que é feito pro meio da viatura lilás. A cor destacou, chamou atenção da sociedade, principalmente das mulheres vítimas que se mantinham na subnotificação, ou seja, ela sofria as agressões, mas por medo não fazia a denúncia. E com a viatura lilás, a visibilidade que ela trouxe, muitas mulheres se encorajaram a fazer essa denúncia e solicitar essa medida protetiva”, pontua Leoneide.

A importância da denúncia no combate à violência

Para a capitã Leoneide, nenhum tipo de agressão, seja verbal, psicológica, moral ou física, pode ser subestimada. Segundo ela, o ciclo de violência possui três fases: a lua de mel, a tensão e a explosão. “Na lua de mel está tudo bem, na tensão são as discussões e a explosão vai à violência física, que pode culminar em um feminicídio”.

 

Antes eram atendidas duas novas medidas protetivas diárias; hoje o comando atende uma média de cinco a sete medidas
Divulgação
   “A mulher quando ela é agredida, ela não pode subestimar essa agressão. Ela precisa fazer essa denúncia na primeira vez que ele comete algum tipo de agressão ou violência. Muitas mulheres pensam que a violência contra mulher se resume à violência física. E não é. Existe a psicológica, moral, patrimonial, sexual e a física. Então, no primeiro sinal, essa mulher precisa fazer a denúncia e ela precisa se manter forte, precisa se manter encorajada a manter essa denúncia porque esse ciclo de violência, como o próprio nome já diz, é um ciclo, então vai e volta. Não adianta querer romantizar essa violência, que foi a única vez que ele cometeu. Não! Nós precisamos quebrar esse ciclo, trazer essa mulher para que ela se sinta segura, apoiada e rompa com esse ciclo”, finaliza a comandante.

Fonte: Portal A10+


Dê sua opinião:

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Em destaque

Enquete

Qual sua opinião sobre o projeto aprovado pela Câmara que equipara aborto a homicídio

ver resultado