Wellington Dias e mais três ministros são exonerados para sabatina de Flávio Dino e Paulo Gonet - Política
VOTAÇÃO NO SENADO

Wellington Dias e mais três ministros são exonerados para sabatina de Flávio Dino e Paulo Gonet

Titulares das pastas da Educação, Agricultura e Pecuária, Transportes e Desenvolvimento Social são senadores licenciados


📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva exonerou quatro ministros que também são senadores para votarem nas sabatinas que avaliam as indicações de Flávio Dino ao Supremo Tribunal Federal (STF) e de Paulo Gonet para a Procuradoria-Geral da República (PGR) nesta quarta-feira (13).

Os chamados "ministros-senadores" são Wellington Dias (Desenvolvimento Social), Carlos Fávaro (Agricultura e Pecuária), Camilo Santana (Educação) e Renan Filho (Transportes). 

As exonerações foram publicadas em edições do Diário Oficial da União (DOU) desta quarta e terça (12). A sessão dos dois indicados vai acontecer de forma simultânea a partir das 9h.

  

Ministro Wellington Dias
Marcelo Camargo/Agência Brasil

   

Para conseguir a aprovação, os candidatos precisam obter o aval dos parlamentares da Comissão de Constituição de Justiça do Senado e do plenário da Casa. Os nomes foram anunciados no final de novembro. As perguntas serão feitas em bloco, e os indicados responderão um após o outro.

Depois da votação dos senadores, os nomes serão encaminhados para avaliação no plenário do Senado, o que pode ocorrer ainda nesta quarta. A votação também é secreta. Para serem aprovados, Dino e Gonet precisam de pelo menos 41 votos positivos dos 81 senadores.

Os nomes dos indicados foram anunciados no fim de novembro, antes da viagem de Lula para os Emirados Árabes Unidos, para participar da 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28).

Fonte: R7


Dê sua opinião:

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Em destaque

Enquete

Qual sua opinião sobre a inelegibilidade do ex-presidente Jair Bolsonaro

ver resultado