Após 10 anos de espera e perder 70 quilos, mãe consegue fazer doação de rim para filho no Piauí - Saúde
TRANSPLANTE ENTRE MÃE E FILHO

Após 10 anos de espera e perder 70 quilos, mãe consegue fazer doação de rim para filho no Piauí

O HGV já realizou 11 transplantes renais somente este ano


📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

O Hospital Getúlio Vargas (HGV) realizou, nessa quinta-feira (23), um transplante de rim na modalidade intervivo onde a doadora foi a própria mãe do paciente. Segundo o hospital, a mulher passou por um tratamento rigoroso para poder fazer a doação para o filho. O paciente de 32 anos recebeu um dos rins da mãe, após uma espera de 10 anos. Apesar da compatibilidade para a realização do transplante, a doadora não podia passar pelo procedimento por causa da obesidade.

“Ela teve que passar por uma cirurgia bariátrica, chegar ao peso ideal, reduzir 70 quilos, equilibrar todas as taxas para poder ser a doadora. Foi muito difícil, mas deu certo”, disse um familiar.

  

No primeiro transplante intervivo do HGV neste ano, mãe doa rim para o filho
Divulgação

  

Segundo o cirurgião Luciano Couto, o transplante transcorreu bem. “Nós retiramos o rim direito e implantamos no receptor. Graças a Deus foi um transplante bem sucedido. Temos conseguido, a cada dia, beneficiar um número maior de pacientes”, explicou o médico.

A diretora-geral do HGV, Nirvania Carvalho, disse que o hospital está ampliando as ações em relação aos transplantes. “Somente este ano, já conseguimos realizar 11 transplantes, sendo dez de doadores cadáveres e um intervivo. Também implementamos uma Unidade de Transplante com equipe exclusiva no próprio HGV com o objetivo de facilitar o acesso pré e pós-procedimentos”, explicou a gestora.

A cirurgia foi realizada por uma equipe composta pelos cirurgiões Luciano Couto, Antônio Reginaldo, Renato Duarte e Layse Tavares e pelos anestesistas Marcos Vinícius e Raquel Teixeira. Além da equipe de enfermagem composta por Ronaldo José, Helson James e as técnicas Márcia Gomes, Teresa Odílio, Jecilene Araújo e Jozelia Alves.

"O HGV mostra mais uma vez a sua capacidade de realizar procedimentos de alta complexidade, como os transplantes. Procedimentos esses que levam esperança de vida às pessoas", destacou o superintendente de Média e Alta Complexidade da Sesapi, Dirceu Campelo.

Fonte: Portal A10+


Dê sua opinião:

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Em destaque

Enquete

Qual sua opinião sobre o projeto aprovado pela Câmara que equipara aborto a homicídio

ver resultado