Governador do DF manda exonerar secretário de Segurança, Anderson Torres - Brasil
BRASIL

Governador do DF manda exonerar secretário de Segurança, Anderson Torres

Exoneração ocorreu neste domingo (08) após a invasão das sedes dos 3 Poderes


📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), determinou, neste domingo (8), que o secretário de Segurança Pública, Anderson Torres, seja exonerado do cargo. Ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Torres foi nomeado para comandar a pasta na última segunda-feira (2).

Governador do DF manda exonerar secretário de Segurança, Anderson Torres
Reprodução

   

A ordem do chefe do Executivo distrital ocorreu horas após manifestantes que não aceitam a vitória do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições de 2022 furarem o bloqueio da Polícia Militar e invadirem os prédios do Congresso Nacional, do Palácio do Planalto e do Supremo Tribunal Federal (STF).

Vídeos publicados nas redes sociais mostram o momento em que os manifestantes subiram a rampa do Congresso Nacional e invadiram a parte superior, onde ficam as cúpulas do Senado Federal e da Câmara dos Deputados, além do Salão Verde, localizado dentro do edifício.

Depois, o grupo tentou invadir, com sucesso, o Palácio do Planalto, sede da Presidência da República, local onde o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), despacha, em Brasília. O petista não está na capital federal neste momento e, sim, em Araraquara, para visita ao município do interior paulista após os estragos causados pelas chuvas.

Manifestantes invadiram, ainda, o edifício do STF. No local, vidros foram quebrados e objetos destruídos nas dependências da Corte. Imagens divulgadas nas redes sociais mostram que a porta em que o ministro Alexandre de Moraes utiliza para guardar a toga foi arrancada.

Fonte: R7


Dê sua opinião:

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Em destaque

Enquete

Qual sua opinião sobre o projeto aprovado pela Câmara que equipara aborto a homicídio

ver resultado