Paciente que recebeu chip cerebral move mouse com pensamento, diz Elon Musk - Mundo
TECNOLOGIA

Paciente que recebeu chip cerebral move mouse com pensamento, diz Elon Musk

Pelas redes sociais, Elon Musk contou que o paciente que recebeu o chip cerebral da Neuralink em janeiro se recuperou bem do procedimento


📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

Elon Musk afirmou, na segunda-feira (19), que o primeiro paciente humano que recebeu um chip cerebral da Neuralink conseguiu mover um mouse de computador com o pensamento.

Segundo o bilionário, que é dono e fundador da Neuralink, o paciente parece ter se recuperado totalmente do procedimento realizado em janeiro para a implantação.

  

Elon Musk
Foto: Divulgação/GPU Technology Conference

   

“O progresso é bom e o paciente parece ter se recuperado totalmente, sem quaisquer efeitos nocivos que tenhamos conhecimento. O paciente é capaz de mover o mouse pela tela apenas pensando”, informou Musk durante um evento do Spaces, no X (antigo Twitter).

O objetivo agora, segundo Musk, é fazer com que o paciente realize o maior número possível de cliques de botão no mouse.

O que é o chip cerebral da Neuralink?

Desde 2016, o magnata da tecnologia trabalha na elaboração de um mecanismo implantado capaz de fazer a ponte entre o cérebro humano e o computador, em uma região cerebral que controla a intenção de movimento.

Elon Musk espera que o implante seja capaz de ler os sinais transmitidos pelos neurônios do cérebro para outras células do corpo, como os músculos e nervos, traduzindo-os em controles motores.

O objetivo inicial é permitir que as pessoas controlem um mouse ou teclado de computador usando apenas os pensamentos. Para o futuro, o empresário acredita que o dispositivo poderá ser usado para tratar doenças como obesidade, autismo, depressão, esquizofrenia, paralisias e doenças neurodegenerativas como Parkinson e Alzheimer.

O primeiro mecanismo do tipo foi implantado em janeiro, meses depois que a empresa de neurotecnologia criada por Musk conseguiu obter aprovação para iniciar estudos com testes em humanos.

Fonte: Metrópoles


Dê sua opinião:

Fique conectado