Julgamento de reajuste do FGTS no STF é suspenso após Nunes Marques pedir vista do processo - Brasil
FGTS

Julgamento de reajuste do FGTS no STF é suspenso após Nunes Marques pedir vista do processo

Ministro solicitou prazo maior para analisar a ação que questiona o cálculo da correção do fundo, atualmente abaixo da inflação


📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

O julgamento do processo sobre o reajuste das contas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), que tramita no STF (Supremo Tribunal Federal), foi novamente suspenso nesta quinta-feira (27), por volta de 14h52, pouco tempo após ter recomeçado.

A interrupção foi motivada pelo pedido de vista do processo, feito pelo ministro Nunes Marques.

 
O ministro do STF Kassio Nunes Marques
Ramon Pereira/Ascom-TRF1
 

O magistrado alegou que precisava de mais tempo para analisar a ação, movida pelo Solidariedade em fevereiro de 2014. No processo, o partido questiona se é constitucional a atual forma de correção do saldo das contas do fundo, em que o FGTS rende 3% mais a TR (Taxa Referencial), que hoje é de 0,15% ao ano.

A alegação é de que esse percentual de correção leva o trabalhador a perder poder aquisitivo, pois não preserva sequer a inflação corrente.

Até o momento, os ministros Luís Roberto Barroso, relator da ação, e André Mendonça foram favoráveis a garantir a correção do FGTS pela poupança, com a derrubada do atual uso da TR. Eles votaram em sessão realizada no último dia 20.

Em seu voto, Barroso se manifestou a favor de uma correção ao menos igual ao rendimento da caderneta de poupança e defendeu que os efeitos da decisão ocorram a partir da publicação da ata do julgamento, isto é, sem efeitos retroativos, diferentemente do que pede o Solidariedade. Mendonça o acompanhou integralmente.

Argumentos da defesa

No início da sessão desta quinta, após fazer o pedido de vista, Nunes Marques prometeu devolver o processo o mais breve possível. O magistrado disse que quer analisar os argumentos do governo sobre o caso, apresentados em um memorial elaborado pela AGU (Advocacia-Geral da União) na semana passada, em que defendia a extinção da ação.

Segundo o órgão, que faz a defesa do governo, a remuneração das contas do FGTS já foi alterada por leis de 2017 e 2019, visto que o fundo começou a distribuir uma parcela de seus lucros aos cotistas.

O processo preocupa o Executivo Federal pelo potencial bilionário da causa, mas, ao mesmo tempo, pode beneficiar os trabalhadores com carteira assinada, com ganhos maiores.

Nunes Marques afirmou, ainda, que a suspensão do julgamento não vai causar prejuízos aos trabalhadores titulares de contas do fundo.

 

Fonte: R7


Dê sua opinião:

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Em destaque

Enquete

Qual sua opinião sobre a inelegibilidade do ex-presidente Jair Bolsonaro

ver resultado