REVOGAÇÃO DE MANDADO

Suspeitos de envolvimento na morte do empresário Janes Castro têm prisões revogadas pela Justiça

Segundo a polícia, pelo menos 18 pessoas estão envolvidas na morte do empresário. Crime aconteceu em setembro de 2020, em Parnaíba


O juiz responsável pela comarca da cidade de Parnaíba revogou os mandados de prisão de quatro suspeitos de participação na morte do empresário Janes Cavalcante Castro, que foi assassinado a tiros dentro de um carro em setembro de 2020, na cidade de Parnaíba, litoral do Piauí.

Segundo apurado, os suspeitos eram tidos como foragidos da justiça até a revogação dos mandados. Os suspeitos são Mário Roberto Bezerra Correia, Flávio Leal dos Santos, Elizabete Ruth Rangel Siqueira e Igor Fernandes Rangel Siqueira de Almeida.

  

Suspeitos de envolvimento na morte do empresário Janes Castro têm prisões revogadas pela Justiça
TV Antena 10

  

Dentre eles, Mário Roberto é apontado como o mandante do crime. Quando o mesmo se apresentou na comarca, o juiz responsável solicitou seu endereço para que ele fosse intimado e ouvido para esclarecer o caso e sua possível participação no crime.

Os suspeitos que tiveram seus mandados revogados seguem em suas residências aguardando as próximas decisões a serem tomadas no processo. Pelo menos outras 14 pessoas também estariam envolvidas no assassinato e presas. Dois homens apontados como os executores do crime entre os presos.

Entenda o caso

Janes Cavalcante Castro estava dirigindo um veículo quando começou a ser perseguido por dois homens em uma motocicleta. No bairro Frei Higino, em Parnaíba, a vítima foi alcançada e alvejada por disparos de arma de fogo. Janes foi atingido e ainda perdeu o controle do carro, que acabou se chocando contra o muro de uma residência. O crime aconteceu em 18 de setembro de 2020.

Janes Castro era advogado e dono de uma imobiliária e a suspeita é que sua morte tenha sido encomendada.

  

Empresário foi morto a tiros em setembro de 2020, em Parnaíba
Reprodução

   

📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

Fonte: Portal A10+


Dê sua opinião: