Rei Charles III e rainha Camilla são coroados na Inglaterra - Mundo
REALEZA

Rei Charles III e rainha Camilla são coroados na Inglaterra

O atual monarca é o herdeiro do trono britânico que mais esperou para ser coroado na história do Reino Unido


📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

Uma nova era se inicia no Reino Unido neste sábado (6/5): o rei Charles III foi coroado após 70 anos de espera. A cerimônia aconteceu na Abadia de Westminster, em Londres, e começou pontualmente às 7h (horário de Brasília). Durante duas horas, 2.200 convidados acompanharam os ritos milenares da investidura britânica.

O seviço na abadia foi seguido de um desfile militar, o maior do país em 70 anos. Cerca de 4 mil pessoas marcharam em homenagem ao rei, inclusive membros da família real britânica.

  

Rei Charles III e rainha Camilla são coroados na Inglaterra
reprodução / Record News

   

A primeira-dama dos Estados Unidos, Jill Biden, e o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), foram algumas das pessoas presentes na abadia. Entre os famosos, estavam os cantores Lionel Richie e Katy Perry. O editor-chefe da Vogue Britânica, Edward Enninful, também prestigiou o evento.

O filho caçula do rei, o príncipe Harry, estava entre os convidados, mas não teve nenhum papel oficial no evento. Meghan Markle não acompanhou o marido, que deve participar apenas da cerimônia dentro da Abadia de Westminster. Nos últimos meses, o duque de Sussex lançou um livro e um documentário, além de ter dado uma série de entrevistas criticando o pai, Charles; a madrasta, Camilla; o irmão, William; e a cunhada, Catherine.

Charles e a rainha Camilla entraram na Abadia de Westminster pontualmente às 7h. O percurso entre o Palácio de Buckingham e a igreja demorou 40 minutos. O casal completou o trajeto dentro da Carruagem de Estado do Jubileu de Diamante.

Após a Procissão do Rei e da Rainha pelas ruas de Londres, começou um novo cortejo até o altar da abadia. Líderes e representantes religiosos entraram na frente e depois os primeiros-ministros ou governadores-gerais dos reinos de Charles III. O primeiro-ministro inglês, Rishi Sunak, fez o cortejo ao lado de sua esposa, Akshata Murty.

Eles foram seguidos pela procissão composta por duques, marqueses e condes. O grupo carregou os símbolos importantes para os reinos e também as regalias usadas na cerimônia: coroas, cetros, hastes, orbe, espadas, esporas e anéis. Os itens simbolizam o serviço e as responsabilidades do monarca. O general Gordon Messenger entrou na Abadia de Westminster segurando a coroa St Edward, a mais importante da cerimônia.

Charles e Camilla cruzaram a abadia usando capas de Estado. O atual monarca escolheu a mesma peça confeccionada para o coroação de seu avô, o rei George VI, em 1937. O item usado por Camilla foi originalmente criado para a coroação da rainha Elizabeth II, em 1953. A capa precisou de alguns leves ajustes e consertos para ser desfilada novamente.

O casal escolheu seus respectivos netos para segurarem a capa na entrada da abadia. O príncipe George, o terceiro na linha de sucessão, entrou na igreja atrás do rei. É a primeira vez que um herdeiro do trono britânico que ainda é criança teve um papel tão importante em uma coroação. Charles tinha apenas 4 anos, em 1953, quando a mãe ascendeu ao trono mas não assistiu à cerimônia completa na Abadia de Westminster, e Elizabeth, que tinha 11 anos em 1937, participou apenas como ouvinte da investidura do pai.

O rei e a rainha começaram a cerimônia sentados nos Tronos de Estado. As peças foram confeccionadas para a coroação da rainha Elizabeth, em 1953. Artesãos restauraram os móveis para serem usados por Charles e Camilla: eles retiraram a madeira na base com as iniciais de Elizabeth e bordaram o brasão do atual monarca no veludo do encosto.

Após o casal se sentar, o arcebispo de Canterbury anunciou a presença do rei para a congregação. Depois de orações e cantos, Charles leu um juramento para os presentes e prometeu servir ao povo do Reino Unido.

A parte mais importante da cerimônia é chamada de “A Unção”. O deão de Westminster derramou na Colher da Coroação o óleo sagrado guardado na Ampola Real. A unção de Charles foi reservada. Esse é considerado o momento sagrado entre o monarca e Deus, por isso, um dossel escondeu o soberano dos presentes e das câmeras para preservar a santidade do gesto. No momento secreto, o arcebispo passou o líquido nas mãos, peitos e cabeça do monarca enquanto fez uma oração.

O painel escolhido para proteger Charles durante o ato foi criado pelo artista Aidan Hart. O desenho central é uma árvore e cada folha representa os 56 países que fazem parte do Commonwealth. O cifrão do rei está posicionado no pé do tronco e simboliza o papel do monarca em servir o seu povo. O design escolhido pelo rei é inspirado nos vitrais da Capela Real do Palácio de St James.

Durante a cerimônia, os três lados do dossel foram segurados por militares que fazem parte da segurança do rei Charles e por membros das guardas dos países do Reino Unido.


Depois da unção, aconteceu a cerimônia de investidura. O arcebispo de Canterbury oferece as regalias ao monarca que, em seguida, são posicionadas em cima do altar. Antes de começar o rito, Charles veste o Colobium Sindonis, uma túnica de linho branca. O rei escolheu a mesma peça do seu avô materno, o rei George VI. Por cima da camisola, o monarca colocou a Supertúnica Dourada, criada em 1911 para a coroação do rei George V.

Para adornar as vestes, Charles escolheu o Cinto da Coroação – também usado pelo seu avô materno – para guardar a Espada do Monarca, que representa a proteção dos bons e a punição do mal.

Em um momento esperado da cerimônia, William, o príncipe de Gales, ajudou o pai a se vestir com o Manto Imperial, costurado em 1821 para a coroção do rei George IV. Por fim, o rei vestiu a Luva da Coração na mão direita, a mesma usada por seu avô.

Durante a unção e a investidura, Charles vai sentou-se no Trono de St. Edward. A cadeira de 700 anos foi usada pela primeira vez na coroação do rei Edward II. A peça foi criada para guardar a Pedra da Coroação, que foi retirada da Escócia em 1296 e utilizada em 38 cerimônias do tipo.

O arcebispo, então, faz uma oração e coloca a coroa de St Edward na cabeça do rei. A joia pesa 2,07 kg e foi confeccionada para a coroação do rei Charles I, em 1661. Após o momento, todos gritaram: “Deus, salve o rei”. Os sinos da igreja vão tocaram por dois minutos e depois vai se escutou uma saudação de tiros de diversos regimentos militares diferentes.

Após a coroação, o príncipe William se ajoelhou em frente ao pai e disse: “Eu, William, príncipe de Gales, juro a minha lealdade a você”. O momento é chamado de Homenagem do Sangue Real e imita o mesmo gesto feito pelo príncipe Phillip à rainha Elizabeth na coroação dela. O herdeiro beijou a bochecha do pai, assim como o avô dele fez em 1953 com a monarca. O monarca prontamente respondeu: “Obrigada, William”

Charles fez uma modificação significativa na parte seguinte da cerimônia. Nas coroações anteriores, os duques do Reino Unido se juntavam para representar o povo e prometiam fidelidade ao rei. Agora, os presentes e as pessoas assistindo pela televisão foram convidados a fazer o juramento. Especula-se que o rei mudou o rito porque está brigado com o filho caçula, Harry, que é o duque de Sussex; e o irmão Andrew, o duque de York, acusado de pedofilia.

Em seguida, Camilla foi coroada. O arcebispo realizou a unção de Camilla na frente de todos os presentes na congregação. Esse momento nunca havia sido televisionado. “Isso mostra como a cerimônia evoluiu e foi simplificada sem perder a magia e a majestade”, informou o Palácio de Buckingham em nota.

A rainha recebeu ainda um anel que representa o compromisso dela como consorte do rei e com a população do Reino Unido. Por fim, a rainha foi coroada com a joia criada para a investidura da rainha Mary, em 1911. Ela foi reformada e os joalheiros reais colocaram diamantes que fazem parte do acervo da rainha Elizabeth. É a primeira vez que uma consorte não ganha uma peça confeccionada com exclusividade.

Após a cerimônia de Camilla, uma série de orações e cantos foram entoados pelos presentes e por corais. O rei e a rainha comungaram.

Para sair da abadia, Charles e Camilla vestiram a Capa de Propriedade. O atual monarca escolheu a mesma peça confeccionada para o coroação de seu avô materno, o rei George VI, em 1937. Camilla, entretanto, participou do cortejo final com uma peça nova bordada com seu brasão e as flores favoritas de Charles.

Charles colocou a Coroa de Estado Imperial, confeccionada para George VI com o objetivo de substituir a coroa da rainha Victoria. Ele segurpou com as mãos o Cetro com a Cruz e o Orbe, que representam boa governança e o poder do rei.

Depois da cerimônia, o cortejo volta até o Palácio de Buckingham e seguirá o mesmo trajeto de ida, mas em uma escala muito maior. Essa parte da cerimônia será chamada de Procissão da Coroação e deve durar meia hora. Vão se juntar ao grupo membros da família real e militares das Forças Armadas do Reino Unido; de países do Commonwealth; e de outros territórios britânicos.

O rei Charles III e a rainha Camilla vão completar o trajeto na Carruagem de Estado de Ouro. O veículo foi visto pela última vez no Jubileu de Platina da rainha Elizabeth II, em junho de 2022. A peça foi encomendada em 1760 e usada pela primeira vez pelo rei George III para a abertura do Parlamento, em 1762. A carruagem participou de todas as coroações desde William IV, em 1831.

A carruagem será puxada por oito cavalos da raça Windsor Grey. O veículo pesa 4 toneladas e, por isso, o cortejo andará em um ritmo de caminhada. Quando chegar ao Palácio de Buckingham, o rei vai receber a Saudação Real das Forças Armadas do Reino Unido e dos países da Commonwealth. O momento será seguido de três “vivas” do cortejo.

As cerimônias oficiais vão ser encerradas com a aparição do rei e da rainha acompanhados de alguns membros da família real na varanda do Palácio de Buckingham. Às 14h30 horário local (10h horário de Brasília), as Forças Armadas da Coroação vão passar de avião em cima do Palácio de Buckingham. A execução dessa última parte da cerimônia depende da previsão do tempo.

Inovações

Charles começou a inovação em seu reinado durante o serviço de coroação. De acordo com o site oficial da família real, a cerimônia “irá refletir o papel do soberano nos dias de hoje e também vai olhar para o futuro, enquanto é enraizada em pompa e tradições milenares”.

O evento, que deve durar quatro horas, será mais curto e menos luxuoso que o da rainha Elizabeth II, em 1953. Comparado com a coroação da mãe de Charles, o Palácio de Buckinham diminuiu pela metade o número de convidados.

Além disso, o rei vai tentar mostrar durante a cerimônia uma monarquia mais diversa. Pela primeira vez na história, por exemplo, vão participam da coroação bispas e membros de outras religiões. O público presente também poderá fazer um juramento, antes dito apenas pelos duques. Alguns momentos considerados sagrados, como a unção da rainha consorte, serão televisionados de maneira inédita.

O monarca pediu ainda que a cerimônia seja realizada em outras línguas, não apenas em inglês. Passagens religiosas da cerimônia serão lidas em galês, gaélico escocês e gaélico irlandês. Charles enfrenta um crescente movimento republicano dentro do Reino Unido, principalmente na Irlanda do Norte.

O que está em jogo

O rei Charles III é coroado em meio a muita desconfiança, principalmente pela geração mais jovem. O monarca está sendo cobrado a reconhecer o papel da família real britânica na escravização de africanos e na colonização de centenas de países ao redor do mundo.

Ele também vai precisar se esforçar para manter os países da Commonwealth em seu reinado. Representantes da Jamaica, Austrália e Nova Zelândia já manifestaram interesse em retirar Charles do posto de chefe de Estado de seus países, e alguns primeiros-ministros e governadores-gerais devem convocar referendos sobre o assunto nos próximos anos.

Apesar das pressões, Charles está conseguindo espalhar o espírito monarquista pelo país durante a semana de coroação. As cidades do Reino Unido estão decoradas com bandeiras para a data, e as ruas de Londres estão tomadas de pessoas querendo ver o rei e a rainha durante as procissões. Com o objetivo de preparar os ingleses, o Palácio de Buckingham já divulgou a maioria dos detalhes da coroação do rei Charles III, que tem como base ritos milenares.

Fonte: Metrópoles


Dê sua opinião:

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Em destaque

Enquete

Qual sua opinião sobre a inelegibilidade do ex-presidente Jair Bolsonaro

ver resultado