Após 15 anos, idosa condenada por prostituição de menores é presa pela polícia no litoral do Piauí - Polícia
CRIMES

Após 15 anos, idosa condenada por prostituição de menores é presa pela polícia no litoral do Piauí

Condenada havia captado adolescentes com promessas e as obrigou a realizar programas por R$ 50


📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

A Polícia Civil, por intermédio da 2ª Delegacia Especializada em Crimes Contra o Patrimônio de Parnaíba, efetuou nesta segunda-feira (10) a prisão preventiva de Maria José de Olivindo dos Santos, conhecida como 'Tia Mazé', de 68 anos. A ação foi realizada na residência da condenada no bairro Piauí, em Parnaíba, litoral do Piauí.

De acordo com a PC, Tia Mazé foi condenada a 11 anos de prisão, em regime fechado, pelos crimes de favorecimento da prostituição ou de outra forma de exploração sexual de criança ou adolescente ou de vulnerável, e prostituição qualificado pela menoridade da vítima. Os crimes foram praticados em 2009 quando a condenada recrutou uma adolescente de 14 anos com falsas promessas de emprego e estudo. 

  

Idosa é presa após condenação por prostituição de menores no interior do Piauí
divulgação / PC-PI

   

Após a prisão, a condenada passou por exame de corpo e de delito e foi encaminhada a Penitenciária Mista de Parnaíba, onde ficará reclusa cumprindo a sua pena.

Entenda o caso

Segundo a denúncia do Ministério Público, Tia Mazé recrutou uma adolescente de 14 anos no município de Barroquinha, no Ceará, sob a promessa de um emprego em seu restaurante e de matrícula em uma escola. Um mês após não recebe notícias da filha, a mãe da adolescente foi em busca e descobriu que a filha não residia mais com a Tia Mazé. 

Com a ajuda da polícia e do Conselho Tutelar, a mãe encontrou a vítima, que relatou que ao chegar ao restaurante, foi obrigada, junto com outra adolescente de 16 anos, a servir mesas, ingerir bebidas alcoólicas e realizar programas com clientes por R$ 50, valor que era dividido com a acusada. A vítima também mencionou que foi proibida de entrar em contato com a mãe e impedida de sair do local, sendo trancada no imóvel quando a acusada saía. Em uma oportunidade, conseguiu fugir e se refugiar na casa de uma mulher que a acolheu.

Presa pelo crime, Tia Mazé foi condenada, em primeira instância, a 7 anos e 6 meses de reclusão e ao pagamento de 102 dias-multa pelo crime de favorecimento da prostituição ou de outra forma de exploração sexual de criança ou adolescente ou de vulnerável, além de 3 anos e 6 meses de reclusão e 68 dias-multa pelo delito de rufianismo, prostituição, qualificado pela menoridade da vítima.

Foi concedido à acusada o direito de recorrer da decisão em liberdade. Porém, a 2ª Câmara Especializada Criminal do Tribunal de Justiça do Piauí e o Supremo Tribunal de Justiça (STJ), mantiveram a sentença proferida em primeira instância. Com o trânsito em julgado da decisão, a Justiça decretou o cumprimento da pena.

Fonte: Portal A10+


Dê sua opinião:

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Em destaque

Enquete

Qual sua opinião sobre o projeto aprovado pela Câmara que equipara aborto a homicídio

ver resultado