Com mandato mantido, Moro elogia Judiciário, critica governo Lula e agradece Bolsonaro - Política
POLÍTICA

Com mandato mantido, Moro elogia Judiciário, critica governo Lula e agradece Bolsonaro

Senador diz que julgamento no Tribunal Superior Eleitoral sobre a cassação dele foi ‘técnico e independente’


📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

O senador e ex-juiz Sergio Moro (União-PR) elogiou nesta quarta-feira (22) a decisão do Judiciário em manter o mandato dele e disse que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) foi “técnico e independente” ao rejeitar “as acusações falsas e mentirosas que foram feitas buscando a cassação”. Durante o comunicado, Moro criticou o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e agradeceu ao ex-presidente Jair Bolsonaro por tentar interromper novos recursos para avaliar o pedido de cassação.

Bolsonaro e a bancada dos senadores do PL pediram, após julgamento no TRE-PR que absolveu Moro, que não fossem interposto recursos contra a decisão, mas as lideranças locais do PL do Paraná não acolheram a sugestão. “Faz um bom tempo não falo com presidente Bolsonaro, mas agradeço o gesto público”, disse Moro.

  
Sérgio Moro Geraldo Magela / Agência Senado
 
 
 

Em contrapartida, o senador criticou o governo Lula, alegando haver aumento de tributação e da dívida pública, e disse que continuará sendo oposição, apoiando candidatos à Presidência da República que consigam vencer a atual gestão. Moro negou a possibilidade de se candidatar ao cargo máximo do Executivo Federal e sinalizou apoio ao governador Ronaldo Caiado (União-GO) em uma eventual candidatura dele em 2026.

Cassação negada

Sobre o TSE negar a cassação, Moro frisou por mais de uma vez o papel isento do Tribunal e evitou responder se a decisão amenizava o embate entre a oposição no Congresso e a Justiça. “Temos que nos orgulhar do nosso Judiciário que mostrou independência”, limitou-se a dizer.

Desde o ano passado, parlamentares da oposição se mobilizam para defender pautas que reduzem poderes do STF (Supremo Tribunal Federal). O movimento de barrar votações importantes ocorre desde o fim de setembro de 2023, sendo o julgamento da descriminalização do aborto o principal motivo da manifestação. No entanto, os parlamentares também citaram os julgamentos sobre a criminalização do porte de drogas, o marco temporal das terras indígenas e a volta da contribuição sindical.

Fonte: R7


Dê sua opinião:

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Em destaque

Enquete

Qual sua opinião sobre o projeto aprovado pela Câmara que equipara aborto a homicídio

ver resultado