Mesmo inelegível, Ciro Nogueira garante que a direita só tem um plano A: "Bolsonaro" - Política
POLÍTICA

Mesmo inelegível, Ciro Nogueira garante que a direita só tem um plano A: "Bolsonaro"

Em rede social, Nogueira conta que, assim como a esquerda fez quando Lula esteve preso, eles também seguirão apoiando o ex-presidente


📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

O presidente do Partido Progressistas, senador piauiense Ciro Nogueira relatou, em rede social, que a direita “só tem o plano A” para as eleições presidenciais de 2026: o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). 

Bolsonaro foi declarado inelegível pelo TSE em 30 de junho de 2023 por abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação. Com a decisão, ele fica impossibilitado de concorrer as próximas três disputas eleitorais: 2024, 2026 e 2028. Michelle Bolsonaro e Tarcísio de Freitas são apontados como os possíveis pré-candidatos da base de Bolsonaro à disputa presidencial contra Lula que, mesmo negando, deverá concorrer a um quarto mandato. 

  

Mesmo inelegível, Ciro Nogueira garante que a direita só tem um plano A: "Bolsonaro"
Reprodução

   

Em postagem, Ciro relembrou que, assim como a esquerda fez quando Luiz Inácio Lula da Silva (PT) esteve preso, os representantes da direita também seguirão apoiando o ex-presidente Bolsonaro.

"Dona Michelle ensinou. A Direita só tem o plano A: Jair Bolsonaro. Até a esquerda nunca deixou de apoiar Lula presidente, mesmo preso. É o mínimo a fazer com nosso Capitão Jair Bolsonaro, “honesto, patriota”. Bolsonaro presidente. Lealdade ao nosso Líder e ao Brasil", escreveu o presidente do PP.

Recentemente, o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Alexandre de Moraes, negou o recurso da condenação do ex-presidente Jair Bolsonaro e o candidato a vice na eleição de 2022, Walter Braga Netto. Os dois foram condenados pela corte eleitoral a inelegibilidade até 2030, por abuso de poder político e econômico nas comemorações, em Brasília e no Rio de Janeiro, dos 200 anos da Independência do Brasil.

Na decisão, Moraes frisou que os dois então candidatos se sujeitaram à inelegibilidade, “tendo em vista a assentada gravidade das condutas, bem como sua responsabilização pessoal, à luz da accountability”, ressaltando-se que “as condutas se revelaram graves, do ponto de vista qualitativo, tendo em vista que são dotadas de alta reprovabilidade”, afirmou.

Fonte: Portal A10+


Dê sua opinião:

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Em destaque

Enquete

Qual sua opinião sobre o projeto aprovado pela Câmara que equipara aborto a homicídio

ver resultado