Torres e Valdemar falam à PF, enquanto Bolsonaro e Braga Netto mantêm silêncio; veja detalhes - Política
EM BRASÍLIA

Torres e Valdemar falam à PF, enquanto Bolsonaro e Braga Netto mantêm silêncio; veja detalhes

A PF ouviu simultaneamente Bolsonaro, Torres, Heleno, Braga Netto e Valdemar na quinta-feira


📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

Em depoimento simultâneo à PF (Polícia Federal) nesta quinta-feira (22), aliados e o ex-presidente Jair Bolsonaro usaram estratégias diferentes para se defender da suspeita de tentativa de golpe de Estado. Enquanto Bolsonaro e o ex-ministro da Defesa Walter Braga Netto ficaram em silêncio durante a oitiva, o presidente do PL (Partido Liberal), Valdemar Costa Neto, quebrou o voto de silêncio e respondeu às perguntas. Ao todo, na sede da PF, foram colhidos 13 depoimentos de investigados na Operação Tempus Veritatis. 

  
Ex-presidente Jair Bolsonaro Reprodução
 
 
 

Confira como foram os depoimentos

Jair Bolsonaro, Walter Braga Netto e General Heleno

O ex-presidente permaneceu cerca de 30 minutos na sede da Polícia Federal e optou por não responder às perguntas. Braga Netto e Augusto Heleno, ex-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), adotaram a mesma estratégia. Eles alegam que não tiveram acesso ao conteúdo das investigações, portanto optaram por não responder.

A reportagem apurou que o general Mário Fernandes, ex-ministro interino da Secretaria-Geral, também optou pelo silêncio. Segundo a investigação da PF, ele teria pressionado outros militares por uma ruptura institucional após a eleição.

Anderson Torres

O ex-ministro da Justiça respondeu aos questionamentos dos investigadores por mais de cinco horas. Ele negou qualquer participação em reuniões relacionadas à elaboração de um decreto golpista e declarou que nunca frequentou acampamentos em quartéis do exército. Fontes consultadas pela RECORD afirmam que o ex-ministro da Justiça não está envolvido em negociações para um acordo de delação premiada.

Valdemar Costa Neto

A defesa de Valdemar declarou que as perguntas feitas ao presidente do PL também foram respondidas. "A defesa não fará qualquer comentário sobre as investigações", finalizaram os advogados de Valdemar. A Polícia Federal quer saber se Valdemar seria uma peça-chave do chamado "Núcleo de Desinformação e Ataques ao Sistema Eleitoral" do grupo que supostamente planejava o golpe de Estado. De acordo com a investigação, o papel dele seria o de "principal fiador dos questionamentos" ao processo eleitoral.

Filipe Martins

Outro investigado que decidiu falar sobre o episódio foi Filipe Martins, ex-assessor de Bolsonaro. Em nota, os advogados de Martins afirmaram que o depoimento foi "claro e objetivo" e que Filipe está "tranquilo, mas inconformado com sua prisão". Ele está preso desde 8 de fevereiro, dia que a PF deflagrou a operação.

Coronel Marcelo Câmara

O coronel é apontado pela PF como responsável por um suposto sistema paralelo de inteligência que monitorou o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, durante o governo Bolsonaro.

A reportagem apurou que durante o depoimento, Câmara foi levado de volta ao batalhão onde está detido porque seu advogado não estava presente. O advogado de Câmara também representa Tércio Arnaud, ex-assessor de Bolsonaro, que prestou depoimento nesta quinta-feira (22).

Tércio Arnaud Tomaz

Segundo a PF, o ex-assessor de Bolsonaro era considerado um dos nomes mais importantes do chamado “gabinete do ódio”. Tércio depôs por cerca de cinco horas e respondeu a 168 perguntas. Ele negou participação em reuniões sobre a minuta do golpe, afirmando que não frequentava o gabinete do ex-presidente Jair Bolsonaro e costumava esperar do lado de fora ou em uma sala separada.

Entenda a investigação

O grupo de aliados de Bolsonaro é investigado pela PF no inquérito que apura uma suposta tentativa de golpe de Estado para manter o ex-presidente no poder após a derrota nas eleições de 2022 para o Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

As informações foram obtidas por meio da delação do ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, coronel Mauro Cid, e confirmadas pelos investigadores por meio de dados dos dispositivos moveis dos investigados.

A PF tem informações sobre uma reunião que aconteceu no Palácio do Planalto, na qual os alvos das investigações estariam tratando sobre uma minuta que estabeleceria um estado de sítio no país.

Fonte: R7


Dê sua opinião:

Fique conectado