RESSOCIALIZAÇÃO

Sejus inicia projeto com xadrez na Cadeia Pública de Altos

O Projeto Atuar para Ressocializar engloba o xadrez, o futebol e, ainda, atividades culturais e educacionais, como apresentações teatrais e palestras


A Secretaria de Justiça iniciou mais um projeto de ressocialização no sistema prisional piauiense. O esporte passa a ser, também, uma ferramenta de transformação de vidas através do Projeto Atuar para Ressocializar. Na Cadeia Pública de Altos, o xadrez foi a modalidade escolhida para ser ensinada aos reeducandos.

O projeto engloba, além do xadrez, o futebol e, ainda, atividades culturais e educacionais, como apresentações teatrais e palestras educativas. A ação acontece graças à parceria entre a Sejus e a Vara de Execuções Penais, do Tribunal de Justiça. Segundo a Diretoria de Humanização do órgão, o Atuar para Ressocializar irá contemplar todas as unidades e possibilitará a remição da pena dos custodiados.

 

Sejus inicia projeto com xadrez na Cadeia Pública de Altos
Reprodução


Sessenta reeducandos participam, inicialmente, das aulas que acontecem semanalmente na unidade penal da região metropolitana. De acordo com o gerente da Cadeia Pública, o Policial Penal Rafael Magalhães, a atividade proporciona também uma melhoria no ambiente do local.

“Apresentamos a ideia do xadrez ao Dr. Vidal e, de pronto, foi aceita. Fomos atrás de parceiros como a OAB, a Defensoria Pública e Ministério Público que ajudaram com a doação de jogos e a ministração das aulas. É uma atividade que, além da remição, ocupa a mente do reeducando e deixa o ambiente carcerário mais ameno”, disse o gerente da unidade.

O advogado Yuri Cavalcante está participando do projeto com a ministração das aulas. Para ele, o jogo de tabuleiro trata-se de uma metáfora da vida com lições, promoções, sacrifícios e desenvolvimento.

“Conheci o xadrez aos 12 anos de idade. Na época, fui agraciado com um trabalho voluntário, desse modo, me sinto na obrigação de retribuir o conhecimento adquirido. Ao iniciar as aulas, confesso que fiquei surpreso pela receptividade dos internos, porém, o que mais chamou atenção foi saber que muitos deles tinham uma noção dos movimentos praticados no jogo, bem como o interesse em conhecer mais a fundo as regras e estratégias. É visível quando há um verdadeiro interesse e isso me motiva a continuar repassando todo o conhecimento possível”, frisou o advogado.

Um dos internos que está inserido nas aulas de xadrez é Caio Sousa. Para ele, além do aprendizado, o xadrez serve como forma de desestressar.

“O xadrez é muito importante, porque tira o foco das coisas ruins. A atividade que estimula muito a mente, faz com que a gente pense sempre antes de agir, tenha raciocínio mais rápido e  nos ensina a ter estratégias em tudo", disse Caio.

📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

Fonte: Portal A10+


Dê sua opinião: