AÇÃO

Governador do Piauí aciona embaixada do Brasil para resgatar atleta piauiense na Ucrânia

Kedma Laryssa e outras duas brasileiras estão em hotel desde o início da guerra


O governador do Piauí, Wellington Dias (PT) acionou a embaixada do Brasil na Ucrânia para que seja agilizado o retorno ao país da atleta piauiense Kedma Laryssa Santos Araújo, de 20 anos. Desde o início da guerra, ela e mais duas brasileiras estão em um hotel na cidade de Kryvyi Rih, localizada no Sudeste da Ucrânia.

Na terça (01), o governo enviou um ofício ao presidente da República, Jair Bolsonaro, à embaixada brasileira, e a Casa Civil, com os dados das três atletas brasileiras. No documento, o estado do Piauí se mobilizou para ajudar no que for preciso no translado das atletas.

  

Governador do Piauí aciona embaixada do Brasil para resgatar atleta piauiense na Ucrânia
Reprodução

   

A invasão da Rússia na Ucrânia tem provocado estragos irreparáveis e mortes desde o último dia 24 de fevereiro. É o maior ataque de um país europeu contra outro do mesmo continente desde a Segunda Guerra Mundial. O clima é de insegurança e incerteza, principalmente para os moradores que vivem na região.

Kedma se mudou para a Ucrânia em agosto de 2021 após sair do clube Tiradentes-PI, e mora na cidade de Kryvyi Rih, que está localizada no Sudeste do país. Ela atua como lateral-direita no Kryvbas Women. No clube atuam outras duas brasileiras: Lidiane Oliveira e Gabriela Zidoi. Elas são dos estados de São Paulo e Espírito Santo.

  

É o maior ataque de um país europeu contra outro do mesmo continente desde a Segunda Guerra Mundial Deutsche Presse-Agentur GmbH
   

Em vídeo enviado ao A10+, a piauiense narrou a tensão e medo que ela e demais estrangeiros estão vivendo após o início dos ataques. Apesar da situação ser preocupante, a jogadora tranquilizou os familiares e afirmou que está bem.

"Minha cidade continua sem ser atacada, graças a Deus. Conseguimos ter uma noite tranquila e descansar um pouco, mesmo com medo e tensão de tudo que está acontecendo. Ficamos sabendo que Kiev foi atacada e foi uma madrugada conturbada. Pedimos que continue orando por todos nós que estamos aqui, tanto os atletas como brasileiros que trabalham na Ucrânia, assim como os ucranianos. Está tudo bem e estamos esperando novas informações do que vai acontecer", disse.

Matéria relacionada:

Na Ucrânia, piauiense narra tensão após ataque russo: "continue orando"; assista

📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.


Dê sua opinião: