POLÍCIA

Saiba quem é Paulinho Chinês e como ele comandava grupo que lavava dinheiro em Teresina

Segundo a polícia, Paulo Henrique é considerado o maior traficante do Piauí; além dele, outros 2 empresários foram presos


A Polícia Civil divulgou nesta quarta-feira (23), durante coletiva, detalhes sobre a Operação Mandarim que resultou em 13 mandados de busca e apreensão e 9 de prisão nas primeiras horas da manhã de hoje. Entre os presos, três empresários, um deles, Paulo Henrique de Costa Ramos Lustosa, conhecido como "Paulinho Chinês", apontado como chefe do grupo criminoso.

Os demais empresários, segundo a polícia, foram identificados como Paulo Ítalo Freire Soares de Sá e Ramon Santiago Matos Nascimento. Na companhia de Paulinho Chinês, eles são acusados de utilizarem suas empresas para lavar dinheiro de uma organização criminosa especializada em tráfico de drogas, que atua nos estados do Piauí e Maranhão.

  

Saiba quem é Paulinho Chinês e como ele comandava grupo que lavava dinheiro em Teresina
Reprodução

  

O dinheiro oriundo do tráfico de drogas era utilizado, de acordo com a polícia, na construção de imóveis, aplicação em contas de investimentos e em veículos de luxo. O delegado Luccy Keiko relatou à TV Antena 10 que somente os veículos ligados a Paulinho Chinês estão avaliados em mais de R$ 1 milhão de reais.

O delegado Thiago Silva, da  Delegacia de Prevenção e Repressão a Entorpecentes (Depre) relatou, durante coletiva, que um dos países fornecedores de droga para esse grupo criminoso era a Bolívia. No último dia 9 de novembro, Paulinho Chinês chegou a ser preso por tráfico de drogas e associação para o tráfico. Na ação, a polícia apreendeu uma grande quantidade de drogas avaliada em R$ 2,5 milhões.

"A gente chegou a detectar a presença de um desses fornecedores aqui no estado. Infelizmente não foi possível realizar a prisão naquele momento. Um dos países fornecedores e que é culturalmente fornecedor desse tipo de droga, que esse grupo criminoso trabalhava, com cocaína e pasta da base, é a Bolívia", disse.

  

Empresários são presos pela polícia suspeitos de crime de lavagem em Teresina; veja nomes
PC-PI

   

O delegado deu detalhes ainda de como os empresários lavavam esse dinheiro conseguido através do tráfico de drogas. Ele relatou ainda que Paulinho Chinês morava em um condomínio de luxo em Teresina. Ainda de acordo com a Polícia Civil, foram sequestrados 10 veículos, entre eles um Jeep Comander, uma S10 e uma BMW, além de dois imóveis, bem como bloqueados valores na ordem de até R$ 30 milhões das contas bancárias dos investigados.

"Os empresários entravam principalmente nessa parte da lavagem, né? Na ocultação do patrimônio e na dissimulação, principalmente na construção de imóveis e a partir disso foi feito o sequestro e o bloqueio das contas, das aplicações financeiras, justamente pra um posterior inquérito de tratando em específico dessa lavagem que já está em tramitação, apurar de maneira mais profunda e ver a presença de outros eventuais investigados", explicou.

Empreendimentos ligados aos empresários e participação de laranjas

O delegado relatou que esses empreendimentos eram diretamente ligados, ou seja, construídos com o dinheiro do tráfico. Ele reforçou que o líder do grupo era de fato o Paulinho Chinês.

"O líder dessa associação para o tráfico, o Paulinho Chinês tinha a cultura de investir todos os seus ganhos, os proventos obtidos com tráfico de drogas, com a construção de imóveis. Apuramos que ele negociava a droga, depois de um certo tempo ele passou a não ter nenhum intermediário nessa compra do entorpecente", detalhou.

  

Delegado Thiago Silva
Jade Araújo / A10+

  

Paulinho Chinês foi preso por conta de um segundo mandado de prisão preventiva. Ao todo, nove mandados de prisão foram cumpridos. Os demais envolvidos, segundo a polícia, são ligados ao empresários.

"São pessoas ligadas a esses empresários. Principalmente que ficavam nessa parte de desfimulação na lavagem do dinheiro. Não são funcionários deles, mas pessoas que de maneira consciente forneciam suas contas, realizavam transações bancárias com o dinheiro sabidamente ilícito", completou.

Na ação, duas mulheres foram presas. Uma delas, segundo a polícia, chegou a movimentar entre 2019 a 2021, mais de R$ 10 milhões de reais em sua conta, sendo que formalmente ela consta apenas como gerente de uma loja. 

Segundo a Polícia Civil, foram presos: André Kaue Dias Viana; Raimundo Nonato Araújo Borges Filho; Fátima; Lorena; Govandi Freire Soares de Sá; Vitor Levi e os empresários Paulo Henrique de Costa Ramos Lustosa, conhecido como Paulinho Chinês, Ramon Santiago Matos e Ítalo Freire Soares de Sá.

  

Material apreendido pela Polícia Civil durante operação
PC-PI

   

Além das apreensões acima, a investigação também apurou crime de lavagem de dinheiro, o que resultou a apreensão de 10 veículos, dois imóveis, bem como bloqueado valores na ordem de até 30 milhões nas contas bancárias de todos os investigados, sejam dos operadores da lavagem ou das pessoas conhecidas como “laranjas”. Três empresas também são alvo de buscas nesta ação, investigadas por fazerem parte do esquema de lavagem de dinheiro do grupo criminoso.

  

Operação cumpriu mandados em Teresina e Timon
divulgação / PC-PI

   

A ação contou com a participação de cerca de 70 policiais, entre policiais civis das mais diversas unidades policiais do Estado, tais como GRECO, POLINTER, GPE, GPI, DRCI, DECAP E PERÍCIA CONTÁBIL DA PCPI, além da POLÍCIA FEDERAL, COE/POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL, DA POLÍCIA CIVIL DE TIMON, dos Núcleos de Operações com cães da PCPI, PCMA e da Guarda Municipal de Teresina.

📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

Fonte: Portal A10+


Dê sua opinião: