Moraes manda soltar quatro investigados por suposto esquema nos cartões de vacina de Bolsonaro - Política
BRASIL

Moraes manda soltar quatro investigados por suposto esquema nos cartões de vacina de Bolsonaro

Eles foram presos na Operação Venire, que apura um suposto esquema de falsos registros de vacinação contra a Covid


📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a soltura de quatro investigados no caso da suposta fraude aos cartões de vacinação do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). São eles: o sargento do Exército Luis Marcos dos Reis, o ex-major do Exército Ailton Gonçalves, o capitão da reserva do Exército Sérgio Cordeiro e o o ex-secretário municipal de Governo de Duque de Caxias (RJ) João Carlos de Sousa Brecha.

  
Alexandre de Moraes, do STF Marcelo Camargo / Agência Brasil
 
 
 

Em maio, a Polícia Federal deflagrou a Operação Venire, que apura um suposto esquema de falsos registros de vacinação contra a Covid nos sistemas do Ministério da Saúde. De acordo com a Polícia Federal, quatro certificados de vacinação em nome do ex-presidente foram emitidos no ConecteSUS, plataforma que integra dados dos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS).

Os três primeiros documentos foram gerados antes de Bolsonaro ir para os Estados Unidos, em 30 de dezembro de 2022 — em 22, 27 e 30 de dezembro de 2022. O último é de 14 de março de 2023, 16 dias antes de o ex-presidente retornar ao Brasil. Os cartões, contudo, têm números de registro diferentes, conforme destacou a corporação.

Os primeiros dois registros, emitidos em 22 e 27 de dezembro de 2022, mostram que Jair Bolsonaro foi imunizado contra a Covid três vezes. A primeira vez em 19 de julho de 2021, com a vacina da Janssen, de aplicação única. Um ano depois, em 13 de agosto de 2022, ele teria recebido a primeira dose da Pfizer. Em 14 de outubro de 2022, teria sido vacinado com a segunda dose da Pfizer.

Os quatro estão proibidos de se ausentar da comarca, deverão usar tornozeleira eletrônica, terão cancelados todos os passaportes, além da suspensão imediata de quaisquer documentos de porte de arma. Eles também não podem usar redes sociais e se comunicar com os demais envolvidos.

Segundo Moraes, as manutenções das prisões não se revelam adequadas e proporcionais, podendo ser eficazmente substituída por medidas alternativas. "No atual momento procedimental, o encerramento de inúmeras diligências realizadas pela Polícia Federal e a oitiva apontam a desnecessidade da manutenção da prisão preventiva, pois não mais se mantém presente qualquer das hipóteses excepcionais e razoavelmente previstas na legislação que admitem a relativização da liberdade de ir e vir para fins de investigação criminal".

Fonte: R7


Dê sua opinião:

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Em destaque

Enquete

Qual sua opinião sobre o projeto aprovado pela Câmara que equipara aborto a homicídio

ver resultado