Após aprovação da minirreforma eleitoral, Câmara Federal enfrenta resistência ao projeto no Senado - A10+ Brasília
A10+ Brasília
A10+ BRASÍLIA

Após aprovação da minirreforma eleitoral, Câmara Federal enfrenta resistência ao projeto no Senado

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, declarou não ter pressa para a análise da proposta


📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

A aprovação da minirreforma eleitoral na Câmara Federal levantou novamente a visão de que, cada vez mais, os parlamentares vêm legislando em causa própria. O projeto trouxe uma flexibilização algumas regras da lei atual. 

Uma das principais mudanças diz respeito ao PIX. Se hoje, pessoas físicas só podem realizar doações de, no máximo, 10% dos recebimentos declarados à Receita Federal e através, exclusivamente, da chave CPF, com o novo projeto essas doações podem acontecer com qualquer chave pix e em qualquer valor. Além disso, a prestação de contas dos candidatos passa a ser mais flexível. Outras novidades são a legalização das candidaturas coletivas para deputados e vereadores, o transporte público gratuito obrigatório no dia das eleições, a redução de punições a partidos e políticos que cometem irregularidades e a abertura de brecha para que as legendas burlem a cota mínima de 30% de candidaturas femininas nas disputas legislativas.

  
Rodrigo Pacheco Roque de Sá / Agência Senado
 
 
 

O texto foi aprovado com ampla maioria pelos deputados federais, porém, uma outra discussão se instalou após essa aprovação. Para que passe a valer já nas eleições do ano que vem, a proposta precisa ser votada no Senado e sancionada até o dia 6 de outubro, um ano antes do pleito de 2024. Mas, declarações dadas pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD – MG), dão conta de que esse processo não será tão tranquilo.

Contrariando o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP – AL), Pacheco disse que não se compromete em votar a minirreforma até do dia 6 de outubro e que a Casa Legislativa tem outras prioridades.

"Não haverá de nossa parte nenhum açodamento. [...] O que eu considero necessário é que entreguemos um projeto de lei amadurecido, bem refletido e discutido pela sociedade e senadores. Se, porventura, for possível conciliar o trabalho bem-feito com a aplicação na eleição de 2024, ótimo. Se não for possível, paciência. A prioridade é entregar um projeto amadurecido", declarou à imprensa.

De pronto, a ideia é que essa declaração não atingisse Arthur Lira, porém, a pressa do presidente é compreensível, haja vista que alguns aliados dele serão candidatos a prefeituras em todo o país.

Essa não é a primeira vez que Pacheco e Lira se digladiam. Fizeram o mesmo na ocasião da reforma tributária. Seriam essas ações de uma crise entre os dois presidentes por causa da relação com o Palacio do Planalto e do poder que a Câmara quer, a todo momento, mostrar que tem?

Há muito, os deputados federais vêm conquistando a antipatia pela sede que tem no poder e o Senado Federal tem mostrado que, cada vez mais, não vai permitir que sua autonomia seja afetada por pressões para votações de projetos que possam afetar sua principal arma para a manutenção dos seu mandatos: o voto da população.

Fonte: A10+ Brasília


Dê sua opinião:

Sobre a coluna

Por Fernanda Martinelli

Por Fernanda Martinelli

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Em destaque

Enquete

Qual sua opinião sobre o projeto aprovado pela Câmara que equipara aborto a homicídio

ver resultado