INVESTIGAÇÃO

Delegado diz que exame vai confirmar se tiro que matou criança saiu de arma de PM em Teresina

Em entrevista à TV Antena 10, Barêtta também fala sobre o caso do policial civil encontrado morto


O coordenador do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Francisco Costa, o Barêtta, afirmou à TV Antena 10, nesta segunda-feira (14), que a morte do policial civil Rômulo Lima Santiago, e da criança Débora Vitória, atingida por um disparo de arma de fogo, seguem em investigação. 

''Estamos apurando. Fizemos um exame do local, depois a entrevista com a mãe e demais pessoas e os procedimentos agora estão andando com exame de microcomparação balística para comprovar de onde saiu aquele projétil'', explica o delegado.

  

Delegado diz que exame vai confirmar se tiro que matou criança saiu de arma de PM
Thracy Oliveira / TV Antena 10

  

Barêtta relatou ainda que um policial que, segundo a mãe, teria efetuado o disparo contra a menina de 6 anos, já foi identificado, além dos homens que praticavam o assalto, autuados em flagrante. Um deles foi preso ainda na sexta-feira (11). 

A mãe de Debora declarou que chegava em casa em sua motocicleta, junto a filha, quando dois homens anunciaram um assalto. Ela já estava entregando o celular quando o policial chegou a efetuar os disparos que atingiram a criança. Débora foi socorrida, mas não resistiu. 

  

DHPP investiga morte de policial civil e assassinato de menina em Teresina
Reprodução

   

''Eles estavam armados, segundo informações foi apreendido um simulacro de arma de fogo e uma arma de fabricação caseira que tinha um calibre 38, mas isso quem vai dizer a e eficiência de tiro dessa arma é um exame balístico'', completou Barêtta.

No caso do policial civil, Rômulo Lima Santiago, o delegado afirmou que existe: ''requisito de que ele se autoeliminou'', e que um exame deve determinar quando o policial morreu. A arma dele estava dentro do carro. Ambos casos serão investigados pelo DHPP.

Mãe afirma que policial teria sido responsável por efetuar disparos que mataram menina 

A manicure Dayane Gomes, mãe de Débora Vitória, morta durante uma tentativa de assalto em Teresina, afirmou que um policial - ainda não identificado- teria sido o responsável por efetuar os disparos que mataram sua filha na última sexta-feira (11) no bairro Ilhotas, zona Sul Teresina. Foi a 1ª vez que ela se pronunciou sobre o caso e com uma nova versão. 

A menina, de apenas 6 anos, estava na companhia da mãe quando ambas foram surpreendidas pelo criminoso em uma motocicleta que anunciou o assalto. Testemunhas relataram à policia que uma terceira pessoa, que seria policial, teria visto a situação e reagido com disparos, momento em que se iniciou uma troca de tiros e as vítimas foram atingidas. 

Em vídeo, Dayane Gomes sustentou que os disparos foram efetuados pelo policial. Ela comentou que o criminoso não iria atirar. A manicure negou que tenha reagido ao assalto e pediu para o policial não efetuar os disparos. Sob forte comoção, a menina foi enterrada na tarde deste sábado (12).

  

Familiares se despedem de criança morta durante tentativa de assalto em Teresina
TV Antena 10

   

“Tem muita gente dando versão que não é verdadeira. Íamos sair ilesas disso tudo, mas por irresponsabilidade de um policial que não é preparado para estar com uma arma na cintura, aconteceu tudo isso. A minha filha não está mais aqui comigo por irresponsabilidade. Ele estava bêbado na porta da casa dele. Ele não pensou em mim, na minha filha, quem tava na frente do bandido que tava por trás da gente e ele atirou. Ele não mediu esforços para defender nem eu, nem minha filha, ele não ia atirar [o criminoso] eu só entreguei o celular, nem arma ele tirou da cintura. Ele veio de lá, eu pedindo pra ele não atirar e atirou. O primeiro tiro foi da arma dele, que atingiu minha filha. Veio dele, foi ele que matou minha filha”, desabafou.

“Pra sempre meu grande amor”, declara esposa de policial civil encontrado morto em Teresina

Mayara Fernanda, esposa do policial civil Rômulo Lima Santiago, que estava desaparecido e foi encontrado morto no estacionamento do IML, na zona Sul de Teresina, no sábado (12), se pronunciou pela primeira vez sobre a triste partida do agente em rede social. Ela citou que seu coração está em pedaços, mas ressaltou que o policial será para sempre “o seu grande o amor”. 

Rômulo Lima estava desaparecido desde o dia 10 de novembro. No sábado (12), funcionários do IML sentiram um mau cheiro vindo de uma área isolada do estacionamento do órgão e ao chegarem próximo ao veículo, que pertence ao policial civil, perceberam que havia um corpo em estado de decomposição dentro do carro.

  

“Pra sempre meu grande meu amor”, declara esposa de policial civil encontrado morto em Teresina
Arquivo pessoal

   

“Rômulo nos amava muito, assim como nós. Sempre foi recíproco o nosso companheirismo, nossa amizade, nosso amor. Sua maior preocupação sempre foi em nos manter seguros, nos oferecer o melhor, nos amar assim sempre o fez. Aqueles que o conheciam, tiveram o prazer de conhecer o coração lindo que ele tinha, quanto ele era parceiro, família, filho amoroso, pai que amava tanto o filho”, escreveu.

Matérias relacionadas:

📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

Fonte: Portal A10+


Dê sua opinião: