BRASÍLIA

STF mantém prisão preventiva do ex-deputado Roberto Jefferson

Ele está preso desde outubro, quando jogou granadas e atirou contra agentes da Polícia Federal que cumpriam ordem de prisão


O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), manteve nesta terça-feira (24) a prisão preventiva do ex-deputado Roberto Jefferson. Ele foi detido em outubro de 2022, ocasião em que o ex-parlamentar jogou granadas e atirou contra agentes da Polícia Federal que tentavam cumprir a ordem de prisão.

À época da prisão, Moraes destacou que, além de ter praticado a tentativa de homicídio contra agentes da Polícia Federal, o ex-parlamentar armazenava em casa armas de grosso calibre, como fuzil.

  
STF mantém prisão preventiva do ex-deputado Roberto Jefferson
Reprodução/ Redes sociais

De acordo com a lei, prisões preventivas devem ser revistas a cada 90 dias para que seja avaliada a necessidade de manter a detenção. Na decisão desta terça-feira consta que, em diversas ocasiões antes da prisão de Jefferson, houve o descumprimentos das medidas cautelares por parte do ex-parlamentar, como compartilhamento de notícias e vídeos falsos sobre o Supremo, além de publicação de vídeos com ofensas à ministra do STF Cármem Lúcia. 

"Está demonstrada, diante das repetidas violações, a inadequação das medidas cautelares em cessar o periculum libertatis [perigo da liberidade] do denunciado, o que indica a necessidade de restabelecimento da prisão, não sendo vislumbradas, por ora, outras medidas aptas a cumprir sua função", diz trecho da decisão do ministro Alexandre de Moraes.

📲 Siga o A10+ no Instagram, Facebook e Twitter.

Fonte: R7


Dê sua opinião:

Fique conectado

Inscreva-se na nossa lista de emails para receber as principais notícias!

*nós não fazemos spam

Em destaque